31.01.24

Profundidade intelectual, uma característica distintiva da Educação Jesuíta

Secretário de Educação da Companhia de Jesus destaca formação voltada para o pensamento crítico frente aos tempos atuais

Profundidade intelectual, uma característica distintiva da Educação Jesuíta

Por Pe. Jose Mesa, SJ

Antes do tiro de canhão que mudou a sua vida, Inácio de Loyola dedicou a sua existência e energia para se tornar um cavalheiro distinto, segundo os padrões sociais da época. Porém, tudo mudou em Pamplona, quando ele ficou gravemente ferido em uma das pernas. Como resultado, como sabemos, Inácio passou por um processo difícil e lento para encontrar um novo sentido na vida, um sentido que pudesse satisfazer a sua sede insaciável de sabedoria e sucesso.

Nesse processo, Inácio, aos poucos, mudou sua forma de entender o sucesso, percebendo que uma vida boa, uma vida verdadeira, era uma vida de proximidade com Deus e de serviço à humanidade, conforme apresentado nos evangelhos. Isto significou para ele uma mudança copernicana. O cavaleiro começa a se transformar em um companheiro espiritual apaixonado por compartilhar sua experiência espiritual com outras pessoas. Porém, sua falta de estudos tornou-se um obstáculo para acompanhar outras pessoas. Por isso decidiu ir à escola para aprender coisas que antes não lhe interessavam muito: gramática, latim, filosofia, teologia… Tinha mais de trinta anos quando começou a aprender essas matérias. Ele teve que estudar com crianças e pessoas muito mais jovens, que se perguntavam por que um senhor tão mais velho estava apenas aprendendo o básico da educação (40 anos!).

A experiência de formação em algumas das melhores universidades da época ajudou Inácio a perceber que a formação intelectual era uma ferramenta importante para o melhor serviço a Deus e à humanidade. Mais tarde, quando ele e outros colegas universitários decidiram fundar a Companhia de Jesus, estavam convencidos da necessidade de uma formação intelectual rigorosa e profunda para quem ingressava na Companhia de Jesus. Segundo Santo Inácio, não é possível cumprir o propósito da Companhia de Jesus (a difusão da fé e o serviço ao próximo) sem uma formação intelectual profunda.

Esta convicção teve um impacto importante na fundação dos colégios jesuítas desde o início. Lembremo-nos que originalmente as escolas jesuítas foram abertas para formar jesuítas mais jovens. Os jesuítas inspiraram-se na convicção humanista de educar para o bem comum, mas também no princípio escolástico de que fé e razão são compatíveis e de que a formação intelectual é um aspecto importante para o crescimento espiritual da pessoa. Portanto, os jesuítas investiram muito tempo e energia para proporcionar uma sólida educação intelectual e foram reconhecidos pelo seu rigor intelectual. O grande filósofo Descartes (1596-1650) não hesita em recomendar uma escola jesuíta a um pai que procura uma boa educação para o filho: “não há lugar no mundo onde a filosofia seja melhor ensinada do que em La Flèche”. Descartes refere-se ao colégio jesuíta onde estudou em reconhecimento à profundidade intelectual de sua formação.

EXCELÊNCIA ACADÊMICA E HUMANA

Hoje, os colégios jesuítas continuam a ser reconhecidos por oferecerem sólida formação intelectual e excelência acadêmica. Esta é certamente uma marca da nossa tradição educacional e é muito central para a nossa compreensão da excelência humana hoje. O recente documento Uma Tradição Viva explica:

“Nossa ênfase tradicional na excelência acadêmica não deve ser negligenciada. Permite que as nossas escolas cumpram uma das funções sociais fundamentais e permite-lhes dialogar com a sociedade em geral sobre o significado da qualidade educativa. Mas nas nossas escolas este esforço deve ser enquadrado no contexto da excelência humana.” (#272).

PENSAMENTO CRÍTICO

O Superior Geral da Companhia de Jesus, Pe. Arturo Sosa, SJ, também deixou este ponto claro, ao argumentar que “Para responder ao apelo expresso nas preferências apostólicas universais, precisamos lutar mais do que nunca pela profundidade intelectual que o nosso carisma e tradição fundadores exigem e que acompanha a profundidade espiritual necessária. A Companhia está comprometida com o apostolado intelectual porque a profundidade intelectual caracteriza todas as formas de apostolado da Companhia de Jesus. “Queremos continuar a servir a Igreja com o apostolado intelectual, nomeadamente, expressando a fé com consistência intelectual… Sem esta condição, o contributo da Companhia de Jesus para a missão da Igreja não responde à exigência do magis inaciano. ” (Preferências Apostólicas da Companhia de Jesus, 19 de fevereiro de 2019).

Assim, a profundidade intelectual deve continuar a ser uma característica importante da nossa educação. Sabemos que, no nosso mundo polarizado, com fácil acesso à informação e onde se apresentam novas formas de manipulação, como as chamadas fake news, esta profundidade intelectual significa preparar-se para o pensamento crítico, a reflexão profunda, a escuta atenta e a análise cuidadosa. Por outras palavras, a profundidade intelectual deve levar-nos à formação de pessoas de discernimento, que não se contentem com respostas fáceis e rápidas, mas que sejam capazes de percorrer o caminho mais exigente da construção do conhecimento através de uma análise e reflexão atentas.

Fontes: Educate Magis e RJE.

Ícone - INSCRIÇÕES DIURNO 2024
INSCRIÇÕES DIURNO 2024
Ícone - MATRÍCULA 2024
MATRÍCULA 2024

Utilizamos cookies para melhorar sua experiência em nossos sites e fornecer funcionalidade de redes sociais. Se desejar, você pode desabilitá-los nas configurações de seu navegador. Conheça nossa Política de Privacidade.

Concordo