25.11.16

Retiro do Advento: orações diárias e partilhas semanais

A programação, que começa no dia 27/11, já está disponível. Confira!

Retiro do Advento: orações diárias e partilhas semanais

Estamos vivendo intensamente o “Ano da Misericórdia”. Revelar o rosto do Pai como Amor e Misericórdia foi, para Jesus, o cerne de sua missão: toda sua vida foi uma eloquente demonstração da misericórdia divina para com a humanidade. O “princípio misericórdia”, portanto, é o núcleo do Evangelho. E a misericórdia é o “amor em excesso”. Assim, desejamos viver o tempo do Advento, que tem uma duração de quatro semanas. Este ano, ele começa no domingo (01/12), e se prolonga até a tarde do dia 24 de dezembro, quando se iniciapropriamente o Tempo de Natal.

Além das orações diárias individuais, que começam no dia 27 de novembro, o Retiro do Advento também contará com partilhas semanais e apresentações sobre os temas da semana seguinte, realizadosno Santuário Nossa Senhora de Fátima, àsterças-feiras (29/11, 6/12, 13/12 e 20/12), sempre às 19h15. O Serviço Inaciano de Espiritualidade (SIES), localizado na Barra, também terá uma programação (informações:3336- 8483).

PROGRAMAÇÃO DAS ORAÇÕES

Podemos distinguir dois períodos. No primeiro deles, que se estende desde o primeiro domingo do Advento até o dia 16 de dezembro, aparece com maior relevo o aspecto escatológico e nos é orientado à espera da vinda gloriosa de Cristo. As leituras da Missa convidam a viver a esperança na vinda do Senhor em todos os seus aspectos: sua vinda ao fim dos tempos, sua vinda agora, cada dia, e sua vinda há dois mil anos. No segundo período, que abarca desde 17 até 24 de dezembro, inclusive, se orienta mais diretamente à preparação do Natal. Somos convidados a viver com mais alegria, porque estamos próximos do cumprimento do que Deus prometera. Os evangelhos destes dias nos preparam diretamente para o nascimento de Jesus.

Com a intenção de fazer sensível esta dupla preparação de espera, a liturgia suprime durante o Advento uma série de elementos festivos. Desta forma, na Missa já não rezamos o Glória. Se reduz a música com instrumentos, os enfeites festivos, as vestes são de cor roxa, o decorado da Igreja é mais sóbrio, etc. Todas estas coisas são uma maneira de expressar tangivelmente que, enquanto dura nosso peregrinar, nos falta alo para que nosso gozo seja completo. E quem espera, é porque lhe falta algo. Quando o Senhor se fizer presente no meio do seu povo, haverá chegado a Igreja à sua festa completa, significada pela Solenidade do Natal.

Neste caminho espiritual estamos propondo esta experiência diária de oração, no encontro íntimo com o Senhor da vida, a partir dos textos bíblicos de cada dia ao longo do Tempo do Advento/Natal. Como também nos anima o DA: A oração pessoal e comunitária é o lugar onde o discípulo, alimentado pela Palavra e pela Eucaristia, cultiva uma relação de profunda amizade com Jesus Cristo e procura assumir a vontade do Pai. A oração diária é um sinal do primado da graça no caminho do discípulo missionário. Por isso, “é necessário aprender a orar, voltando sempre a aprender esta arte dos lábios do Mestre”.

Elementos básicos para fazer este Retiro do Advento/Natal são:

a. dedicar trinta (30) minutos à oração pessoal diária;

b. rever esta oração durante alguns minutos;

Roteiro para a oração diária

Esquema, como possível ajuda, para os trinta (30) minutos de oração diária.

a) Escolher a hora e o lugar mais apropriados para a oração.

b) Acolher a presença de Deus, saber que Ele me quer junto de si.

c) Pedir a luz do Espírito Santo para que Ele me dirija e inspire.

d) No início de sua oração pessoal, rezar esta oração preparatória:

Oração preparatória

Aqui estou, meu Deus, diante de ti, tal como sou agora. Estou tranquilo e pacificado diante de ti, Senhor, como um discípulo atento a seu Mestre. Estou na tua presença e me deixo conduzir. Abro-me à tua proximidade.

Dá-me um coração de discípulo, para que, cada dia, possa ouvir a tua Palavra. Tu és a fonte da vida, a força da vida que me penetra.

Tu és meu ar que me oxigena e dilata. Deixa que a tua paz me habite. Concede-me a graça de me deixar “limpar” por ti, ser uma concha que se enche de ti, meu Deus. Que todos os meus pensamentos e sentimentos, minha vontade e liberdade sejam orientados para o teu serviço e louvor, meu Mestre e Senhor.

Assim seja!

e) Dois modos de orar os textos indicados:

1º – Contemplação evangélica (se o texto for um fato bíblico ou um mistério da vida de Cristo)

Como proceder?

. Recordo a história e use a imaginação para entrar na cena evangélica.

. Procuro ver, contemplando cada pessoa da cena; dou um olhar demorado, sobretudo, na pessoa de Jesus (se for o caso). Olho sem querer explicar ou entender.

. Tento ouvir, prestando atenção às palavras ditas ou implícitas: o que podem significar? E, se fossem dirigidas a mim…?

. Observo o que fazem as pessoas da cena. Elas têm nome, história, sofrimentos, buscas, alegrias. Como reagem? Percebo os gestos, os sentimentos e atitudes, sobretudo, de Jesus.

. Participo ativamente da cena, deixando-me envolver por ela. Além de ver, ouvir, tente apalpar e sentir o sabor das coisas que nela aparecem.

. E, refletindo, tiro proveito de tudo o que ocorreu durante a oração.

. Finalizo com uma despedida íntima de meu Deus, rezando um Pai Nosso. Saindo da oração, faço a minha revisão (cf. 4).

2º – Leitura orante (se for um texto de ensinamento da Escritura)

. Leio o texto inteiro de uma vez; releio, devagar, versículo por versículo. Pergunto-me: O que diz o texto em si?

. Paro onde Deus me fala interiormente; não tenho pressa, aprendo a saborear. Pergunto-me: O que o texto diz para mim?

. Deus é Pai que nos ama muito mais do que poderíamos ser amados. Pergunto-me: O que o texto me faz dizer a Deus? Podem ser louvores, pedidos, ação de graças, adoração, silêncio…

. Vou acolhendo o que vier à mente, o que tocar o meu coração: desejos, luzes, apelos, lembranças, inspirações.

. Pergunto-me: O que o texto e tudo o que aconteceu nesta oração me fazem saborear e viver?

. Finalizo a oração com uma despedida amorosa. Rezo um Pai-Nosso e uma Ave-Maria.

. Saindo da oração, faço a minha revisão (cf. 4).

Revisão da oração

Terminada a oração, revejo brevemente como me saí nela, perguntando-me:

. que Palavra de Deus mais me tocou?

. que sentimento predominou?

. senti algum apelo, desejo, inspiração?

-tive alguma dificuldade ou resistência?

Anoto o que me pareceu mais significativo na forma de uma breve oração de súplica ou de agradecimento. N.B.: Este roteiro pode ser utilizado para a partilha da oração em grupo.

Acompanhamento no retiro do advento/natal

Além das orientações dadas, seria desejável um acompanhamento mais direto. Há duas possibilidades:

1. Recomenda-se às pessoas que desejam fazer o retiro, formarem grupos por proximidade geográfica ou afetiva, sejam grupos já existentes na paróquia, sejam grupos a se constituírem. O objetivo é reunir-se, semanalmente de preferência, para a partilha das experiências.

2. Tanto quanto possível, os grupos sejam acompanhados por um orientador experiente nos Exercícios Espirituais de Santo Inácio, auxiliado por outros acompanhantes idôneos que se disponham a prestar este serviço pastoral.

Utilizamos cookies para melhorar sua experiência em nossos sites e fornecer funcionalidade de redes sociais. Se desejar, você pode desabilitá-los nas configurações de seu navegador. Conheça nossa Política de Privacidade.

Concordo