Notícias

16h00

Compartilhando histórias e sonhos

Confira a entrevista de Bel Borba para a Revista Vieirense 2018.

Compartilhe
Tamanho do Texto
Compartilhando histórias e sonhos

O nosso ilustre ex-aluno, Bel Borba, retorna ao Vieira no momento em que prepara um livro que marca os seus 50 anos de criação e traz para o Colégio a exposição “O Olhar Material”. Nesse bate-papo para a nossa revista, ele, relembrando diversas passagens da sua época como estudante, destaca o contato com os alunos como uma experiência inspiradora, e faz um apanhado de importantes ações feitas por ele nos últimos anos.  Vale a pena conferir!

 

Revista Vieirense: Como é voltar ao Vieira, dessa vez, para compartilhar um pouco da sua trajetória com os alunos?

Bel Borba: Estar no Vieira é sempre muito emocionante, pois até hoje meu círculo social de amizade e nas viagens que faço sempre encontro pessoas que estudaram aqui. Temos inclusive um grupo muito próximo que ficou da festa que fizemos para marcar os 40 anos de pós-vestibular. Tenho contato com um grupo expressivo de ex-vieirenses. Saí do Vieira em 1975 e voltar aqui é sempre emocionante, porque nós tínhamos uma vida aqui. Recordo que chegava 1 hora da tarde, muitas vezes até antes disso, para conversar do lado de fora, e saía depois das 19 horas. É um lugar que sempre foi muito aprazível, com jardins e salas amplas. É interessante notar que muita coisa foi conservada, e isso faz com que seja possível sonhar e viajar no tempo. 

 

RV: Você realiza um trabalho itinerante nas escolas. Como é esse processo?

BB: Faço esse contato com boa frequência nos colégios, alternando instituições públicas e privadas. Essa exposição inicia a sua itinerância a partir do Colégio Antônio Vieira. Quando eu fiz a exposição em um grande shopping de Salvador, tive a possibilidade de acordar com eles a itinerância pelas escolas da cidade, e fico feliz por termos dado o primeiro passo aqui nesse formato de trazer esculturas, fotos, palestra e vídeos.

 

RV: Como você avalia essa possibilidade de interação?

BB: Estar com esses alunos aqui me fez voltar no tempo, me vendo neles. Acredito que ter a chance de mostrar como meu trabalho teve uma grande repercussão em outros países pode estimular esses estudantes tanto nas artes como em qualquer carreira que eles escolham.

 

RV: Qual a concepção dessa exposição?

BB: A maior parte do trabalho mostrado são intervenções. Muitas delas fizeram parte de um longa-metragem intitulado “Bel Borba aqui – O homem e a cidade”, feito por iniciativa da Universidade de Boston (EUA) pelo Urban Art Institute, voltado para intervenções urbanas. Esse material também se desdobrou em um grande livro.  O longa participou de alguns festivais pelo mundo, entre eles o de Cartagena, esse em especial, pois houve a dublagem dos trailers para a comunidade, atingindo muitas pessoas que nunca tinham ido ao cinema, e o filme foi exibido em um grande museu. Essa foi uma das maiores homenagens que recebi até hoje.

 

RV: Essa relação com a comunidade é uma das principais características do seu trabalho?

BB: Certamente. Eu destaco também a reutilização de materiais, que sinaliza uma direção para as questões ambientais. No entanto, a relação com a cidade é uma outra característica que tenho.  Por exemplo, tenho frequentado Montreux, na Suíça, há cinco anos, e já tenho uma relação com a cidade por ter exposto o meu trabalho com exposições e intervenções em diversos eventos. Isso me aproxima muito, e acaba se tornando uma das minhas marcas pelo diálogo que consigo estabelecer com a comunidade.

 

RV: De que maneira você enxerga a arte hoje?

BB: A minha trajetória dentro do cenário artístico me colocou como um modelo de um artista que pode conduzir a sua carreira atraindo colecionadores, e tendo pessoas que adquirem as suas obras, independentemente de estar inserido nos grandes circuitos.  Atualmente, com as convergências de tecnologias, há meios para fazer com que o trabalho apareça e circule. Nós vivemos hoje a era do compartilhamento e arte é compartilhamento. É você ter uma ideia nos mais diversos temas e usar a sua formação, habilidade, talento e discurso para compartilhar um pensamento.  O artista é um pensador e a arte é sempre fruto de uma reflexão.

 

RV: Qual mensagem você gostaria de deixar neste momento para outros ex-alunos do Vieira?

BB: Eu gosto muito do que a gente chamava de “Família Vieirense”.  Vivíamos em um mundo diferente, mas estar aqui novamente faz com que a gente perceba que as relações são as mesmas. Acho que o sentimento de ter pertencido a essa história é como um parentesco que não se acaba. É um laço permanente, e acredito que além do senso de justiça, princípios e ética que eu tive em casa com pais advogados, tenho certeza de que fui preparado para os princípios do universo jesuíta, do qual eu tenho muito orgulho.

 

CLIQUE AQUI PARA CONFERIR A REVISTA VIEIRENSE 2018

Deixe seu comentário
Av. Leovigildo Filgueiras, Garcia - 683 CEP: 40100-000 - Salvador - Ba
Tel: (71) 3328-9500 - Fax: (71) 3267-0511
2016 - 2018. Colégio Antônio Vieira. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital