ACONTECE NO VIEIRA
» 01/02/2011
  • Texto 01
  • Texto 02
  • Texto 03
  • Texto 04
  • Texto 05
  • Texto 06
Educadores do Vieira participam de seminários no Sul do Brasil

Última atualização: dia 07/07/2015, 15:15

Problematizar a articulação entre educação, transgressões e narcisismos no cenário atual. Esse foi o tema geral 6º Seminário Brasileiro de Estudos Culturais (SBECE) e Educação e do 3º Seminário Internacional de Estudos Culturais e Educação (SIECE) realizados de forma simultânea entre os dias 01 e 03/06, na Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), situada em Canoas-RS. O Colégio Antônio Vieira foi representado pelos professores José Teixeira Neto (Zelão), Ana Paula Marques, ambos coordenadores pedagógicos, e Alex Valadares.

“São três dias de encontro que proporcionam uma atualização muito ampla do que vem sendo pesquisado hoje em educação, juventude e contemporaneidade. Procuramos discutir a ambivalência existente nas redes sociais, em que as pessoas tanto se colocam de forma narcísica, quanto se mobilizam com o objetivo de promover um movimento inusitado na história política do Brasil”, destacou o prof. Zelão. Ele e a prof. Ana Paula apresentaram o trabalho intitulado “Identidades móveis, fragmentação social e espetacularização da vida: Insurgências curriculares tensionado a formação no contemporâneo” (Clique para ler).

_MG_4729.JPG

Dentre os aspectos abordados estão as manifestações ocorridas em junho de 2013 que, segundo o prof. Zelão, se estabelecem como novas formas de organização política para os jovens e de ação dos movimentos sociais. “Além da riqueza e do crescimento profissional na apresentação do nosso trabalho, as experiências narradas, as pesquisas apresentadas e tudo que foi compartilhado na área dos estudos culturais e educação fizeram com que eu voltasse do SBECE cheia de ideias para alimentar a minha prática pedagógica e dialogar com meus colegas de trabalho”, destacou a prof. Ana Paula.

Para o prof. Alex Valadares, o evento foi uma oportunidade de experimentar reflexões interessantes a respeito dos processos de construção do conhecimento da contemporaneidade. “A temática desta edição envolvia a ideia de ‘Transgressões e narcisismos’. Vivemos em um mundo de contínuas ‘emergências’, em que as relações virtuais derrotam facilmente a ‘vida real’. Por isso, dar conta dos processos que constituem as novas relações é de fundamental importância para sobrevivência”, concluiu.